Luz da tarde

eu palpitava

     balançava

a vida traçava um auto perfil

Queria ir embora

             ou talvez dançar na calçada

buscar aconchego

mas ao mesmo tempo

queria a liberdade infinita

 

ver você chegando me traria

O bem e o mal

de presente

 Paz    uma palavra

cheia de alegorias

você tão perto

         e tão longe

 

a luz da tarde

cheia de um fascínio próprio

                                     primeiro

 me chamava

a descobrir a resposta

                      a doce vida

que sempre busquei

a verdade que nunca falei

                         escondi

 ser um

      é difícil

prefiro ser dois

 encontrar o meio

é complicado

quero o belo

e me encontro na confusão

respostas nunca possuo

busco o amor pleno

          e me contento com migalhas

melhor Maiúsculo

com cara de tarde

A vida é feita de sons

vibrações

algumas esquisitas

danças sem ritmo

seres rudimentares

             talvez o nada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *