juiz

quando passo

bato

não vejo o sinal

 

O  verde

     Amarelo

foi imposto

                   há tempos

no desfile

 

Gato sem olho

         tromba nas portas

Se abertas

                encontro só o batente

 

quero respirar

o ar solidificou-se

quero dormir

as pálpebras não fecham

ir embora

requer força

olhar para si

tamanho esforço

melhor caminhar

a esmo

não posso parar

 

A dor chegou

A angústia também

                      queria o verde

e peco pelo talvez

Palavras não ditas

                          caminham pelas veias

 

o ser acolhe

                 o próprio eu

aquele quebrado

cheio

       transbordante

 

Os caminhos do eu

                       foram truncados

as crenças degoladas

na guilhotina agendada

                   beleza de vitrine

respostas pautadas

pelo país

pelo juiz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *