“O e-book é mais vivo e instigante para uma criança pequena”.

Segundo a professora Fernanda Gimenes, diretora pedagógica do ensino fundamental da Escola Cidade Jardim Play Pen, em São Paulo, o e-book é mais atrativo do que o livro, pois nossas crianças já nascem  interativas. O que você pensa sobre isso?

Será que em 10 anos o e-book irá para escola junto com o lápis e o lanche? O documentário Transcrever procura refletir sobre esse momento de transição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *